Aglomerando

Aglomerando - Agregador de conteúdo

Resident Evil 4: Recomeço - Menos Milla, mais 3D

Resident Evil 4: Recomeço - Menos Milla, mais 3D

NOTA: 7,5 / 10

Resident Evil: Afterlife
EUA , 2010
Ação / Suspense

Direção:
Paul W.S. Anderson

Roteiro:
Paul W.S. Anderson

Elenco:
Milla Jovovich, Ali Larter, Kim Coates, Shawn Roberts, Sergio Peris-Mencheta, Spencer Locke, Boris Kodjoe, Wentworth Miller, Sienna Guillory, Kacey Barnfield, Norman Yeung, Fulvio Cecere, Ray Olubowale, Christopher Kano, Tatsuya Goke, Nobuya Shimamoto, Peter Kosaka, Denis Akiyama, Kenta Tomeoki, Shin Kawai, Mika Nakashima


A tomada inicial sobe lentamente pelas pernas de uma garota parada na chuva enquanto centenas de guarda-chuvas, brancos e vermelhos, passam por ela. Ao final, ela ataca sua primeira vítima e a infecção se espalha por todo o mundo. Isso acontece pouco depois de Alice ter sido capturada pela Umbrella Corporation, 4 anos antes de Resident Evil 4: Recomeço. Sem diálogos geniais, apostando no visual apurado, o filme conseguiu resgatar a identidade do videogame e se dedicar ao que mais interessa: tiros, zumbis e muitos efeitos especiais, potencializados por um 3D que, temo em dizer, mais interessante que o próprio Avatar.

Paul W. S. Anderson, diretor e roteirista do primeiro filme, voltou a série para contar o que aconteceu com Alice, após a humanidade tentar recomeçar sua vida. O que ela vai descobrir é que nem tudo que reluz é ouro.

Sou um partidarista completamente anti o diretor Paul W. S. Anderson. Se o primeiro filme de Residente Evil me surpreendeu bastante, devo dizer que fiquei decepcionado com Alien Vs Predador e Corrida Mortal além de outras porcarias que ele dirigiu. Minha surpresa é que ele se encaixa perfeitamente em Resident Evil. Não adianta ser ranzinza, o filme é sem dúvida um dos mais divertidos do ano e um dos poucos que me fez querer voltar ao cinema mais algumas vezes. Tudo isso deve-se a tecnologia 3D, finalmente honrada como James Cameron sempre desejou. Ao invés de apelar para a conversão como muitos diretores pensaram ser uma boa ideia (e não é!), Anderson abraçou a tecnologia 3D e utilizou as mesmas câmeras de Avatar. O resultado é surpreendente. Nunca algo voou tão perto de você ou grudou nos seu óculos de maneira tão realista quanto o sangue neste filme. As cenas com paisagens, as lutas, a profundidade e até a claustrofobia causada pelas cenas produzidas tornam a experiência de Resident Evil 4 angustiante como o filme deve ser.

Enquanto isso, do lado do elenco, nada de novo no front. Milla Jovovich está como sempre: muito dedicada e bonita. Mas sua atuação deixa a desejar. E no único momento em que talvez ela pudesse aparecer seminua, o diretor corta o barato. Pena. O primeiro soube jogar muito bem com a nudez da atriz e pode ter certeza que isso enriqueceu muito mais o filme. Fora ela, os personagens clássicos do apocalipse estão lá: o líder justo, o traidor repulsivo, o assassino misterioso e as carnes para abate coadjuvantes.

O roteiro também não é lá essas coisas e serve apenas de justificativa para o banho de sangue e os objetos atirados na plateia. Anderson disse que visualizou todo ele em 3D, mas acredito que ele esqueceu de ler de novo no final. É bobinho, mas dane-se, ninguém dá bola pra ele mesmo.

A direção tem falhas gravíssimas. Destaque para a cena final onde a foto de dois personagens aparecem nos arquivos de uma câmera criogênica meio minuto depois deles serem presos (você vai entender quando assistir). O filme é sim indispensável para ser assistido no cinema e em 3D. Não adianta perder tempo com as cópias em 2D seu mão-de-vaca, não foi para isso que o filme foi feito. Aliás, tem uma cena pós-créditos feita para os rapazes da sessão.

Vale dizer que conferi o filme na nova sala 3D do Cinesystem Shopping Total, que foi devidamente reformada e está demais!

Aproveite!

2 comentários:

Nata Xavier disse...

Mas já? Nem sabia que o filme já tava em cartaz o.O
Vou conferir depois =P

Abs!

Thiago disse...

hahaha... pensei que só eu tinha reparado nas fotos da câmera criogênica!!!

O filme é muito bom se for considerar os efeitos 3d, mas é horrivel na questão de enredo.

assisti o filme no IMAX do shopping palladium, recomendo pelo 3d!!