Aglomerando

Aglomerando - Agregador de conteúdo

Asas do Desejo - Clássico que inspirou Cidade dos Anjos


Titanic estabeleceu recorde de público, insuperável até hoje. Mas, um filme conseguiu ter melhor desempenho que ele nos EUA, pouco tempo depois. Cidade dos Anjos, com Meg Ryan e Nicholas Cage, foi a febre do verão de 98. A história mostrava um anjo que se apaixonava por uma humana e desistia da imortalidade para passar o resto de uma vida mortal com ela. Com um final triste, o filme arrebatou corações e lançou o hit único da banda Goo Goo Dolls, Iris, que até hoje é uma das trilhas de filmes mais tocadas nas rádios. Brad Siberling, na verdade não tirou a história do nada. Cidade dos Anjos é um semi-remake de outro filme, do polêmico e diferente Wim Wenders. Muito mais filosófico, mas mesmo assim com igual ou até mais interessante romance, Asas do Desejo rendeu em 87 a palma de ouro de Cannes, para o diretor.

A história mostra os anjos como seres naturalmente invisíveis a todos, mas que acompanham cada pessoa, aconselhando e observando-as, durante todos os dias. Dividindo as experiências mais comuns do dia-a-dia, passam assim a eternidade, em seu mundo desprovido de cor e sentido. É quando um deles apaixona-se por uma trapezista de circo e decide tornar-se humano.

Utilizando uma película em preto-e-branco, Wenders conta uma história sensível e potencialmente filosófica. O eterno é enfadonho e desprovido de significado quando longe das pequenas coisas que nos tornam humanos. Dentro de um conversível os dois anjos recitam um para o outro, pequenas trivialidades que para eles parecem algo além da compreensão. Uma interpretação curiosa de cada um para aquilo que para nós parece simples. Acompanhando diversas pessoas ao redor da cidade, é quando buscam em suas memórias que o mundo parece adquirir cor. Quando a visão torna-se humana, deixa o preto-e-branco e fica colorida. 

Além de tantos sentimentos e pensamentos desenvolvidos pelos personagens, é a paixão platônica do protagonista que chama a atenção. Ao desistir da imortalidade, é bombardeado por inúmeras sensações. O sangue coagulado em sua cabeça é uma diversão! Essa descoberta mostra o quanto a insensibilidade que cada vez mais desenvolvemos é perigosa.

Sem grandes efeitos, mas com ótimas tomadas, o diretor transforma a simples mudança de coloração no filme, em um movimento apoteótico que presenteia os pacientes. Sim, porque apesar de tudo, o filme pode ser um pouco cansativo para quem não estiver preparado. O resultado final é avassalador. A dança do protagonista com sua consorte no trapézio, enquanto seu colega anjo assiste, já dá idéia do que o "To be continued" significa daí pra frente. Os anjos continuarão se surpreendendo e aprendendo a cada dia com a humanidade...

2 comentários:

Alice disse...

Olá, Misael! Gostei do comentário de "Asas do Desejo", um filme que vale sua classificação entre os 100 mais importantes da história do cinema.
Abraços

Anônimo disse...

amo nicolas ele ta mais lindo q nunca neste filme bjs